Automação residencial na arquitetura: como criar casas inteligentes

Atualizado: 8 de Out de 2019

Você já ouviu falar em domótica? Este conceito descreve a tendência tecnológica de automatização e integração de recursos em ambientes habitacionais. Ou seja, é a tecnologia por trás da dita automação residencial, ou, casas inteligentes. Por meio de uma conexão entre um smartphone e o seu sistema de climatização, iluminação, som ou segurança, o controle sobre os componentes da sua casa fica em suas mãos, e as coisas funcionam de forma integrada, programada, eficiente e inteligente.

A automação residencial visa criar ambientes que facilitam e simplificam a vida das pessoas que habitam aquele espaço, além de agregar alto grau de inovação e sustentabilidade a projetos de arquitetura. Ao desenhar um imóvel, você, enquanto arquiteto, está fazendo mais do que somente criar um espaço: você está materializando o lar de alguém, o ambiente em que aquela pessoa irá viver e usufruir de seu tempo de lazer e descanso. Ou seja, utilizar domótica para pensar em recursos de automação residencial agrega muito valor ao seu projeto, torna-se uma oportunidade para ampliação de seus negócios e, além de tudo, transforma por completo a experiência do seu cliente.

Quer entender um pouco melhor sobre como aplicar este tipo de tecnologia inovadora aos seus projetos de arquitetura? Então leia este artigo que preparamos para você com alguns insights e dicas para os seus próximos projetos.


Capacidade de adaptar projetos


Casas inteligentes trazem aos usuários o conceito de ubiquidade, que é a tecnologia incorporada nas nossas rotinas sem que sequer notemos: é a chamada tecnologia “invisível”. São sensores e demais dispositivos que, instalados no ambiente, coletam, registram e analisam dados, tomando decisões de acordo com os resultados obtidos.

Ao trazer à tona este assunto, muitos arquitetos ficam na defensiva, pensando que não entendem o suficiente de tecnologia e programação para incluir estes recursos no seu projeto. Mas nós queremos desmistificar isso: nem todo recurso de automação precisa ser altamente complexo, e não será você que irá instalar ou montar os sistemas automatizados. O papel do arquiteto é saber da existência dessas possibilidades e orientar o cliente e as demais equipes envolvidas na obra sobre as melhores maneiras de aproveitar recursos de automação para casas inteligentes.

Imagine que você está projetando um apartamento para uma família adepta das técnicas da cromoterapia, por exemplo, e eles decidem criar ambientes com vários esquemas de iluminação colorida. É atribuição sua, enquanto arquiteto, neste caso, orientar o cliente com relação à composição dos cômodos, à eficiência energética e às necessidades reais de iluminação do imóvel, para que o projeto seja adaptado com a inclusão de um sistema automatizado de iluminações coloridas, sem prejudicar o conforto do ambiente.


Motivos pelos quais usar automação residencial


O ser humano está cada vez mais conectado à tecnologia ao longo do dia, e isso deve ser levado em consideração ao desenhar um projeto arquitetônico. No entanto, o principal objetivo da criação de automações residenciais é facilitar e trazer mais conforto ao dia a dia dos moradores, proporcionando uma experiência agradável e inclusiva, e não complicando ainda mais com a criação de comandos e funcionalidades excessivas. As técnicas de domótica visam também o consumo eficiente, gerando redução de impacto no meio ambiente por meio da regulação inteligente dos gastos de energia e água.

Outro ponto interessante é: o custo de desenvolvimento de um projeto com automações não é tão mais alto do que aquele sem as inovações, o que pode funcionar até mesmo como um argumento de venda perante o seu cliente, alegando que ele terá muito mais praticidade em seu dia a dia, sem precisar investir grande quantidade a mais no projeto.


Exemplos de automação residencial


Agora chegou a parte que todos estavam esperando: o que, de fato, é automatizar processos dentro de uma casa para torná-la inteligente? Bom, as respostas para essa pergunta são muitas, considerando todas as possibilidades. Os principais pontos que podem ser controlados por automações residencias são: sonorização, climatização, iluminação e segurança, podendo atrelá-los a comandos de voz ou sensores de presença. Vamos ver alguns exemplos de como você pode pensar em automações, em consonância com os desejos e necessidades do seu cliente.


Sonorização


O primeiro exemplo de automação que pode ser criada é uma sala de cinema. Defina um cômodo que será construído e decorado com sofás, almofadas, tapetes, blackouts, climatização e um sistema de som todo interconectado e automatizado. Podem ser colocadas caixas de som embutidas no teto e nas paredes, formando um ambiente com surround 360, que você ativa pelo celular. Outro exemplo de automação neste mesmo caso é: quando você der o comando para fechar a cortina de blackout, o sistema entender que você vai assistir a um filme e apagar as luzes automaticamente. Também é possível criar comandos para controlar o volume da televisão e das caixas de som em outros ambientes, que não somente a sala de cinema.


Climatização


O seu projeto de casa inteligente pode prever também um sistema de refrigeração ou aquecimento programado para ajustar a temperatura, de acordo com algumas percepções. Quando a janela estiver aberta, por exemplo, o ar condicionado será desligado, ou terá sua potência reduzida, para evitar o gasto desnecessário de energia elétrica. Ao detectar um aumento de X graus no ambiente, por exemplo, a sua máquina de ar condicionado pode estar programada para ser ligada, ou para abaixar automaticamente a temperatura e tornar o ambiente mais agradável.


Iluminação


Com relação à iluminação, uma possibilidade de automação é condicionar o acendimento ou apagamento das luzes à presença de alguém no cômodo. Por meio de sensores que identificam quando alguém entra ou sai de um aposento, as luzes se acendem ou apagam, representando mais uma possibilidade de economizar energia e também de facilitar a usabilidade. Esse tipo de automação é altamente inclusivo, pois torna mais prático o dia a dia de idosos ou portadores de deficiências físicas, e também pode ser aplicado com o aumento da intensidade da luz conforme o dia passa, contribuindo para que as pessoas possam enxergar melhor. Outra ideia de automação de iluminação já mais comum no dia a dia é em jardins externos e piscinas, onde as luzes se acendem quando o sistema detecta que anoiteceu, acendendo também com luzes internas da piscina, por exemplo. No caso do jardim, também é possível programar um sistema de irrigação automática do gramado, e no caso da piscina, uma tecnologia para regulação da temperatura da água, tudo pelo celular ou por comandos de voz.


Segurança


Projetos de arquitetura padrão costumam prever artifícios para a segurança dos moradores, como instalação de alarmes ou câmeras de segurança. Isso pode ser amplificado com o uso de recursos de automação, como a emissão em tempo real de avisos de invasão ao imóvel, ou manipulação de janelas ou portas. O seu celular pode receber alertas de disparo do alarme, bem como as imagens ao vivo de todos os cômodos e portas da sua casa, facilitando o entendimento de qual foi o problema e possibilitando que você aja de acordo com isso. A automação pode ainda ser pensada para já ser feita uma ligação para a polícia, em caso de invasão. Outra forma de usar automação residencial em prol da segurança é a configuração de sistemas para envio de notificações em caso de vazamento de gás, água ou ocorrência de incêndio.


Tendências de automação residencial


Diversas são as possibilidades ao incorporar domótica nos seus projetos de arquitetura. Para isso, é necessário que os arquitetos estejam sempre atualizados com relação às tendências do momento. Os principais motivos para isso são:

Propor automações ativamente para o cliente, de forma a melhorar sua experiência;

Não ficar com a cara no chão se o cliente trouxer uma demanda de automação e você não tiver a menor ideia do que ele está falando.

Além disso, é de responsabilidade do arquiteto fazer a ponte entre os desejos e necessidades do cliente e a empresa que fará o serviço de implementação dos recursos de automação, sempre a partir do que foi previsto e planejado no seu projeto. Cabe ao arquiteto:

Projetar uma decoração que permita o posicionamento estratégico dos dispositivos eletrônicos que farão parte das integrações automatizadas (televisão, home theater, caixas de som ambiente, interruptores, painéis de controle etc.);

Entender, com engenheiros eletricistas, a estrutura de cabos e fiações para definir planos de iluminação e segurança eficientes;


Selecionar revestimentos e tecidos que harmonizam com as automações planejadas.

Projetos de casas automatizadas, de forma geral, não precisam ter alto custo de criação, considerando principalmente a utilização de recursos via wireless, que otimizam a instalação de sistemas automatizados e reduzem gastos energéticos. Se você ainda não experimentou incorporar domótica aos seus projetos de arquitetura, este pode ser um bom momento para estudar e entender as possibilidades. Comece aos poucos, não precisa criar um ambiente totalmente automatizado logo de início, mas proponha alguns recursos e dê ao cliente a possibilidade de ir aumentando isso aos poucos, conforme fizer sentido para ele.


Tecnologias para o mercado Imobiliário


Existem no mercado algumas tecnologias que podem te ajudar enquanto arquiteto a planejar automações residenciais, sempre pensando na melhor usabilidade e conforto para o seu cliente. Alguns softwares de modelagem 3D, por exemplo, podem te ajudar a criar ambientes totalmente digitais em maquetes eletrônicas, onde é possível prever a instalação de recursos de automação dentro de ambientes, para assim já propô-los ao seu cliente com base em uma série de análises realizadas de antemão, e ganhar ainda mais credibilidade. Outras tecnologias e materiais também podem ser utilizados neste momento do seu projeto, confira em nosso site.


O que você achou deste material? Te ajudou a entender melhor sobre automação residencial? Conte para nós nos comentários e acompanhe nosso blog e redes sociais para ficar sempre atualizado com mais conteúdos como este!



Sua Maquete Eletrônica Ltda., CNPJ: 29.827.934/0001-83

R. Leopoldo Couto de Magalhães Jr. 1442 Itaim Bibi São Paulo-SP

contato@suamaqueteeletronica.com.br | Tel: (11) 3136-0841 | Whatsapp: (11) 9.8133-0841

Acesse aqui nossos Termos & Condições 

  • Facebook - Grey Circle
  • Instagram - Grey Circle
  • LinkedIn - círculo cinza